Frescor e frescuras!

Nestes dias escaldantes de verão, comer, em especial no horário do almoço, não anda fácil! Principalmente para quem não pode se dar ao luxo de um bodinho depois do almoço e voltar lá pelas 16h, quando Apolo começa a bater em retirada com sua carruagem… Nestes casos, uma saladinha é providencial! Além de alimentar é uma injeção de frescor na veia.

Desde criança pequena que sou vidrada em saladas, em casa sempre tivemos horta – mérito de meu pai, que é dono de um dedo verde como poucos. Todo fim de tarde rolava sempre o mesmo ritual: ele chegava do trabalho, vestia uma roupa confortável e rumava para a horta, e ali pacientemente retirava com a mão bichinhos, pragas e matinhos, depois regava os canteiros e ao fim colhia uma bacia grande de folhas e legumes que iam dali direto para a mesa. Eu me empanturrava de rúcula, alface, rabanete, agrião, mostarda (a preferida de minha mãe), almeirão…

Mas o fato é que a maior parte das pessoas não é muito fã de salada e isto sempre me intrigou, até que fui estudar gastronomia e descobri que a comida que requer maior cuidado na elaboração é, sem dúvida, a comida fria (as saladas aí incluídas).

Ao contrário da comida quente, que conta com o aroma para despertar o paladar e o apetite das pessoas, a comida fria precisa contar com uma excelente apresentação para que seja um convite à degustação, ou seja, primeiro a gente come com os olhos…

A saladinha que segue é bem simples mas muito bacana, uma frescurinha aqui, outra acolá e você tem uma refeição bacana, leve e fresca!

Salada de verdes com tomate e ervas aromáticas

Ingredientes (2 pessoas)

1 tomatão (aquele tomate gigante que vez ou outra encontramos nos hortifruti)

2 porções de verdes variados* (dê preferência para folhas pequenas e se for o caso rasgue as folhas grandes com as mãos)

1/2 cebola roxa em lâminas finas

2 galinhos de manjericão desfolhado

2 galhinhos de hortelã também desfolhado

2 ramos de cebolinha verde fatiada na diagnoal**

2 ramos de salsinha desfolhada

limão, flor de sal, azeite extra virgem e pimenta preta moída na hora

Modo de fazer

Corte duas fatias largas de tomatão e disponha cada uma no centro de um prato, sobre elas disponha a cebola roxa, polvilhe com a flor de sal e regue com azeite.

Sobre o tomate disponha harmonicamente as folhas verdes, e então adicione as ervinhas aromáticas que vão conferir uma explosão de sabor na saladinha de verdes trivial. Não deixe de usar as flores das ervinhas, nesta salada usei flores de manjericão e também de jambú, já que estavam lindas!

Faça então o vinagrete: dissolva sal a gosto em 1 colher de limão, regue a mistura com 3 colheres de azeite emulsionando com a ajuda de um pequeno fouet ou de um garfo. Quando bem emulsionado, o vinagrete fica encorpado e brilhante. O segredo é misturar bem.

Regue a salada com o vinagrete e está pronta!

Eu também chamo esta salada de escondidinho vegetal, já que os verdes escondem as fatias de tomate e cebola roxa que vão por baixo… a frescura fica por conta da flor de sal e das ervinhas aromáticas (no meu caso colhidas na horta de casa… simplesmente um luxo!!!!).

Se você quiser fazer a versão família da salada, forre uma travessa com fatias um pouco mais finas de tomatão (+ ou – um dedo de espessura), e os demais ingredientes sobre elas, como na receita.

*não é necessário que sejam usados todos os verdes em uma salada, mas alguns deles, preferindo sempre combinar cores e sabores – amargo (endívia, escarola, frisée, radiccio), picantes (rúcula, agrião, azedinha), neutros (alfaces em geral); Existem várias misturas de folhas já prontas para o consumo à venda nos supermercados.

** o filé mignon da cebolinha é a parte branca (embora a maior parte das pessoas a descarte), ela traz o sabor da cebola só que mais suave, use e abuse desta parte não só em saladas, mas também para saltear os alimentos que você deseja conferir um sabor mais delicado.