Penne Caruru

Dos clássicos da comida baiana, o caruru é um dos meus favoritos. Acho perfeita a combinação do quiabo com o camarão seco, a castanha, o amendoim e sua textura pastosa que unta o acarajé, fazendo dele a bocada perfeita. É uma comida que me conforta.

Também gosto porque é a comida de Cosme e Damião, uma festa linda que acontece 27 de setembro, onde se distribui doces para as crianças e tradicionalmente se serve o caruru do cosminho. Os fiéis pagam promessa oferecendo o caruru para os santos e cada quiabo deve ser cortado em cruz, depois em rodelas pequenas. Dependendo da promessa, milhares de quiabos devem ser cortados e muita gente vem ajudar no preparo e depois comer.

Se você estiver na Bahia na época da festa de Cosme e Damião não perca a oportunidade de experimentar a refeição completa com o carurú e seus acompanhamentos: acarajé, abará, pipoca, cana de açúcar…

Penne Caruru

 

A comida baiana é pura tradição e essa receita aqui é justamente uma brincadeira com o tradicional. Usa praticamente os mesmos ingredientes mas segue por outros caminhos: o quiabo vira chips, o camarão é fresco, o coentro e o dendê aparecem bem de leve na história e todos eles se encontram com uma massa italiana…

O fruto deste casório é um penne caruru, que ficou arretado de bom!

Ingredientes – 2 porções

  • 2 xícaras (chá) de penne – massa italiana de grano duro
  • 16 quiabos partidos ao meio no sentido do cumprimento
  • 12 camarões médios limpos, apenas com o rabinho
  • 2 colheres (sopa) de castanha de cajú moída grosso
  • 1 colher (sopa) de amendoim torrado e moído grosso
  • 2 dentes de alho brunoise (cubos mínimos)
  • 2 pimentas dedo-de-moça sem semente laminadas
  • 3 colheres (sopa) azeite de oliva
  • 1 colher (sobremesa) de azeite de dendê
  • Raspas de 1/2 limão
  • Galhinhos de coentro e castanhas de cajú inteiras para guarnição
  • sal e pimenta do reino moída na hora à gosto

Modo de fazer

Comece pelo chips de quiabo: Disponha os quiabos com a polpa virada para baixo em uma frigideira antiaderente (sem nenhum óleo ou azeite) e leve-a ao fogo mínimo até que a polpa do quiabo fique marrom escura, caramelizada.

Separe 10 metades inteiras de quiabo para finalizar o prato e corte o restante em pedaços menores. Reserve.

Aqueça uma frigideira antiaderente, pincele com azeite e doure os camarões dos dois lados (aproximadamente 1 minuto cada lado). Reserve.

Aproveite a mesma frigideira e sue o alho na mistura dos dois azeites e uma pitada de sal. Acrescente a castanha de cajú e o amendoim. Salteie por 1 minuto. Junte os camarões, a pimenta dedo de moça e as raspas de limão.

Acrescente o penne cozido ao dente e meia concha da água do cozimento da massa (isso vai garantir que a massa não fique ressecada). Salteie levemente para misturar todos os ingredientes. Ajuste o sal e polvilhe com pimenta do reino moída na hora.

Sirva com as fatias de quiabo, castanhas inteiras e as folhas de coentro. Axé!

Harmoniza com… por Marina Novaes (na Pick’up ) e Marcelo Pedro (no Copo)

Quebrei a cabeça sobre o que comer com um prato mezzo baiano mezzo italiano. Cerveja? Vinho? Pesquisei um pouquinho e achei um blog muito legal da Sommelière Alexandra Corvo, onde ela descreve uma degustação de pratos bem brasileiros com vinho verdes portugueses. E deu o estalo!

Vinho verde é uma denominação controlada de vinhos produzidos no Noroeste de Portugal, entre os rios Minho e Douro, assim definida desde 1908. As principais castas de uvas produzidas da região são Alvarinho, Loureiro e Avesso.

Existem vinhos verdes brancos, tintos, rosé e até espumantes. São chamados verdes por terem sido produzidos inicialmente com uvas verdes, não totalmente maduras, mas hoje isto já não é fato e as técnicas de produção são modernas e elaboradas, com uvas em ponto de maturação ideal. Por serem produzidos em solo granítico, com abundância de água e com clima ameno, produz vinhos refrescantes e minerais, alguns até mais aromáticos e frutados, que podem ser bebidos com sobremesas.

Os vinhos verdes só perdem para o vinho do Porto em volume exportado por Portugal, e durante a praga da Phyloxera abasteceram de modo importante o mercado francês. O Brasil era o principal importador de vinhos verdes, hoje superado pela Inglaterra. Os bons verdes, na minha opinião são os brancos. Os tintos, produzidos com a uva Vinhão por exemplo, são extremamente adstringentes, meio rudes, sendo de difícil harmonização com a comida. Já os brancos são mais leves, e a fermentação maloláctica produz ácido lático e succínico, que são mais suaves e refrescante ao paladar que o ácido málico. Além disso, esta fermentação que ocorre após a fermentação alcoólica produz gás carbônico, por isso os vinhos verde brancos são algo frisantes, tem “agulha”, o que colabora com sua refrescância.

Portanto, meu rei, escolha uma boa garrafa de vinho verde branco, de preferência da uva Alvarinho, sirva-o frio como dizem os patrícios, que não quer dizer gelado, e sim frescos em torno de 8oC e bom apetite. Saúde!

 

Segun Bucknor & His Revolution – La la la

A Bahia, se expressa por seus ritmos, costumes, comida, religião e por aí vai…. É uma coisa linda de se ver a sexta feira em Salvador todo mundo de branco!

E para harmonizar este reinventado Caruru, trago um pouquinho de musica yorubá, que é um gênero de música popular nigeriana, que tem tradição de percussão, tambores em tensão e dundun. Com toques europeus e islâmicos, com a introdução dos instrumentos de sopro. E Segun Bucknor é um dos expoentes, com uma gostosa e marcada influência da funk music.

Contemporâneo de Fela Kuti, aliás, primo em segundo grau, não fez tanto sucesso quanto o parente. Mas foi bem popular na Nigeria, Gana e Benin entre 1969 e 1975. Suas músicas também tem um cunho político e de denúncia social, tanto é que sua carreira parou depois que guardas armados invadiram show na Nigéria. Uma pena, porque as músicas são pedradas atrás de pedradas.

Mas uma coisa é certa: folclore, adoração espiritual, política, ritmo e groove. Yorubá é falado aqui e lá!