Vitrolinha – Outono, esta estação preferida!

A melhor estação do ano é o outono.  Eu sempre achei isso, mas todo ano esqueço, talvez só pelo prazer de lembrar!

outono-no-uruguayQuando eu morava em Mogi, descobri esta minha preferência porque eu tinha uma coisa louca de amar pisar nas folhas secas, mais precisamente na casca de semente, que tinha na casa da mãe e em todas as outras casas da redondeza. Passear no finzinho de tarde para caçar aquele barulhiho crec crec, era o meu sinônimo de conforto, porque todo aquele cenário era (é) aconchegante. Mas se Mogi é mais bonita no outono, imagina Brasília, Ouro Preto, Paraty…

Quando morei nos EUA, a região que fiquei, da Nova Inglaterra é famosa nesta época pela troca das folhas. Tanto que eu e a Nadja, ficamos um final de semana todo passeando de carro de Massachusetts a New Hampshire, só para a White Mountains, famosa pelas árvores no outono com aquelas folhas em tons de laranja, com uma claridade do dia especial.

Em 2001, quando me apaixonava, namorava e terminava por alguém num período longo de 3 semanas, lembro que me apaixonei por um cara, só porque ele foi me buscar em casa, a tarde, e me disse que adorava o Sol naquele céu azul do outono (claro que o romance não durou até o fim do mês, que dirá da estação).

Ir para o Uruguai é bom em qualquer época do ano, mas quando fomos no outono foi bem especial. Aqueles dias quentes, com céu de brigadeiro, e noites estreladas e frias talvez me faça entender porque quero tanto envelhecer em Montevidéu.

E esta semana de abril começou melancólica. Segunda feira passei o dia meio perdida, ressaca de uma expectativa frustrada, combinada com TPM (que depois que o Tom nasceu vem avassaladora como nunca antes). Mas foi só sair de casa para ir buscar o Tom na escola, que aaaaaaah, aquele fim de tarde de outono: azuis, laranjas, verdes….dei uma suspirada seguida de um sorriso no rosto.

Aí preparei uma seleção de músicas que combinam com a estação. Mas já dou a dica: é muito mais gostoso ouvir com o fone de ouvido!

A primeira não podia ser mais óbvia: Autumn Leaves, do disco Somethin’ Else do Cannonball Anderley, com o trumpete do Miles Davis. É uma versão da canção de 1945 do Joseph Kosma, Johnny Mercer e Jacques Prévert, incrível em com um monte de gente, como  Nat King Cole, Frank Sinatra, Eric Clapton, mas é um primor esta versão jazz:

Ainda na pegada instrumental, Celestial Showers do João Donato, do meu álbum favorito dele, A Bad Donato a mistura funk, rock, jazz, MPB e eletrônica, não tão comum em 1970 deixou a música (e o disco) atemporal.

Outra instrumental, é a Estrada dos Deuses, do incrível Azymuth. Este trio é meu preferido do coração, e esta música não podia ser para um caminho melhor!

Azul, do Djavan traduz a cor do amor, combinado com o Amarelinho. Gosto muito desta versão com a Gal Costa.

Clube da Esquina, ou mais precisamente Milton Nascimento é a cara do outono. Eu já falei desta música 800 mil vezes, e mas não podia ficar de fora aqui: Um Girassol da Cor de Seu Cabelo, cinematográfica até a última ponta!

Very well, Stevie Wonder está nesta lista também com sua discografia completa, mas Superwoman é a minha escolhida. E quem não é uma super mulher?

Não esqueça o casaco, porque quando o sol for embora vai ficar aquele frio delícia!