Não é carne 2 – Brasciola de tomate com aspargos e Melancia grelhada com chancliche

Esses dois preparos de hoje são perfeitos para serem servidos como entrada ou como prato principal em um dia quente de verão. Mais que nunca a brincadeira aqui foi com texturas que rementem à carne, e nesse particular tanto o tomate como a melancia ficaram perfeitos no papel!

A melancia assim grelhada pode parecer estranha, mas fica surpreendente. E faz mesmo sentido que fique tão saborosa, ela é a prima doce e “gordeeenha” do esbelto pepino! Como por aqui não temos o hábito de usar melancia em pratos salgados, ela acabou relegada a mesa de sobremesa ou ao café da manhã. Mas depois de experimentar esta aqui, com chancliche, cebola roxa e limão ela vai virar queridinha de todas as refeições!

A brasciola de tomate ficou muito bonita e saborosa com os aspargos no ponto perfeito e o toque especial do croc croc da quinua.

Brasciola de tomate com aspargos e Melancia grelhada com chancliche e hortelã

 Brasciola de tomate com aspargos


O segredo deste preparo é fazer uma espécie de bife com o tomate. Para isso é necessário um corte bem feito que parte do tomate sem pele. No mais, é um preparo muito simples.

O crisps de quinua frita que usei para acompanhar a brasciola é muito bacana e eu uso em vários outros preparos como o ceviche de linguado com romã que publiquei na revista Gula de novembro. Fica perfeita sempre que a intenção for adicionar um croc croc ao prato.


Ingredientes – 2 porções

  • 4 tomates débora
  • 8 aspargos
  • 1/2 xícara (chá) de quinua cozida em água
  • 1/2 xícara (chá) de azeite para fritar a quinua
  • 1 colher (sopa) de tomilho desfolhado
  • 1/2 colher (sopa) de cebolinha verde
  • 1 colher (sopa) de alho brunoise
  • 3 colheres de azeite extra virgem
  • flor de sal e pimenta do reino moída na hora

Modo de fazer

Retire a pele dos tomates. Corte uma tampa em cada extremidade. Com a faca levemente inclinada faça um corte por toda a volta do tomate de forma a transformar a polpa em uma peça única sem sementes.

Com a faca deitada acerte a polpa de tomate, eliminando as rebarbas, até obter uma superfície lisa.


Tomate - Aqueça uma chapa de ferro ou frigideira antiaderente e grelhe levemente o lado externo do tomate. Reserve.

Quinua - Frite a quinua (cozida) por imersão no azeite quente, escorra o excesso de gordura e salpique com flor de sal. Reserve.

Azeite de ervas - Passe as ervas, o restante do alho, uma pitada de sal e o azeite extra virgem pelo processador. Reserve.

Aspargos - Mergulhe os aspargos em água fervendo por um minuto, retire e dê um choque térmico mergulhando-os em água gelada. Salteie-os em azeite, 2/3 do alho brunoise e uma pitada de sal. Polvilhe com pimenta do reino moída na hora.

Montagem –  Salpique o tomate com flor de sal e disponha no centro de cada peça dois aspargos. Envolva os aspargos com a polpa do tomate formando um rolinho.Disponha dois rolinhos no centro do prato, regue com o azeite de ervas e acrescente uma colher de quinua para acompanhar.

Melancia grelhada com chancliche, hortelã e cebola roxa


Já disse que esse preparo é surpreendente. A principio todo mundo acha muito estranho incorporar melancia a preparos salgados, mais ainda a idéia de grelhar melancia… mas eu garanto, faça na sua casa e experimente, é delicioso, fácil de fazer e barato!

A combinação da doçura da melancia potencializada pela caramelização da grelha, com o sal do chancliche e a acidez do limão e da cebola fazem a festa do paladar. E se você parar para pensar essa entrada aqui é prima da salada grega, só que com a melancia no lugar do pepino.


Ingredientes – 2 porções

  • 2 cubos de melancia de aproximadamente 4 dedos de altura cada.
  • 1/2 chancliche esfarelado ou queijo feta
  • 1/2 cebola roxa em fatias finas
  • hortelã para guarnição
  • 3 colheres de azeite extra virgem
  • 1 colher (sopa) de suco de limão
  • Flor de sal e pimenta do reino moída na hora.

Modo de fazer

Aqueça uma chapa de ferro de preferência vincada. Grelhe todos os lados do cubo de melancia.


Emulsione o suco de limão com azeite. reserve.

Em um prato monte a melancia no meio, sobre ela as lâminas de cebola e ao lado o chancliche e o hortelã. Salpique com a flor de sal e a pimenta do reino. Regue com a emulsão de limão.

Bom apetite!!!

Harmoniza com… por Marina Novaes (na Pick’up ) e Marcelo Pedro (no Copo)

Harmonização difícil esta, porque os sabores são muito inusitados e ao mesmo tempo delicados. Mas como são pratos vegetarianos, quase saladas, recomendo vinhos frescos, que não sejam encorpados em excesso, e principalmente, que não sejam tânicos. A idéia é que destaquem os sabores herbais, e que tenham acidez na medida certa para combinar com o frescor dos pratos. Pensei em um vinho branco seco, bem mineral, sem envelhecimento em madeira, como um Sancerre do vale do Loire, feito com uvas Sauvignon Blanc. Outra opção seriam os Sauvignon Blanc argentinos, chilenos, ou mesmo neozelandeses, como já falamos em outro post mais antigo.

Lembrem-se de servir o vinho branco fresco. A temperatura de serviço da maioria dos brancos secos é em torno de 9oC, nunca gelado, senão os aromas, o bouquet, não se desprendem, uma vez que dependem de substâncias voláteis. Além disso, nossas papilas gustativas ficam anestesiadas, e não sentem nada! Se estiver com sede ou calor, refresque-se com água gelada. Aliás como me ensinaram no Chile, para evitar dor de cabeça e ressaca, tome uma taça de água para cada taça de vinho. Procuro seguir este conselho, e realmente é difícil que eu tenha ressaca mesmo bebendo um pouco a mais.

Para aqueles que não curtem muito vinhos brancos, os rosés são também uma ótima opção, como falamos alguns meses atrás. Só para ficar na região do vale do Loire, que tal um Rosé D´Anjou? Mas como o Rosé D´Anjou ficou com fama de vinho meio doce, de mulherzinha, outra pedida pode ser um rosado espanhol de uva tempranillo, da Rioja, mais seco e mais ácido. Só não recomendo os rosados de uva Malbec, que são muito encorpados, apesar de rosados. Tim-tim!

Para acompanhar esta receita dupla e deliciosa, escolhi duas músicas que fazem parte do meu repertório pessoal, tipo do soundtrack da vida. Gosto delas por vários motivos, mas o que as duas tem em comum é que em ambas, de cara torci o nariz. Mas depois de ouvir, me surpreendi e nunca mais parei. Igualzinha a esta melancia grelhada.

A primeira é E Depois, música do BID, um super produtor musical gravada em seu primeiro álbum “Bambas e Biritas vol.1”. A gente tinha este CD em casa, e por pura preguiça eu só escutava a primeira música Não Pára. Até que um dia no meio do trânsito, só este CD no carro, deixei tocar inteiro. Na hora que começou a introdução da E Depois, parei. Quando o Seu Jorge começou a dizer “é dia de te ver que sorte grande” tremi. Fui prestando atenção na letra que descreve um encontro super aguardado, o cara vai passar na casa da moça, vai levar o disco do Bob Marley, depois vão tomar um sorvete, passear, namorar e depois.. e depois.. e depois.. uau, é muita sensualidade descrita numa musica. Depois o seu Jorge fica sussurrando, uma coisa louca. O resultado é que comecei a ouvir esta música no repeat. O balanço dela é gostosinho demais, eu abro e fecho a pista das festas de samba-rock. Se a música toca na rádio eu aumento o volume, enfim, o e depois e depois e depois com a voz do seu Jorge. Perfeito.

Obra prima é Vôo Sobre o Horizonte do Azymuth. O trio do Rio de Janeiro, começou lá nos anos 70 gravando e fazendo arranjos para artistas da gravadora Philips. Depois gravaram um cd independente, emplacaram músicas em novelas, e em 1975 foram tocar em Montreaux. Daí, fizeram arranjo para Ella Fitzgerald e caíram na graça da gringolândia.  Cultuados no cenário musical de Londres, DJs mixam e remixam seus sucessos, estes dias mesmo achei em casa um CD deles super eletrônico, e até gostei desta contemporaneidade dos caras.

Sobre a música Vôo Sobre o Horizonte, é maravilhosa por si só. Sua melodia te faz viajar, voar mesmo sobre o céu. Há uns 4 anos eles fizeram um show minúsculo no CCBB, e a gente foi ver. Arrepiante do começo ao fim. Mas o mais legal de tudo, foi quando virei para o Will, ele tava com uma lagriminha escorrendo de emoção. Para quem tem um marido super sincero, se emocionar com música não é  para qualquer um não!